15 de junho de 2020


Quantiferon-CMV


O teste QuantiFERON-CMV (QF-CMV) é um ensaio laboratorial capaz de avaliar a presença de imunidade celular específica para o citomegalovírus (CMV) através de uma simples coleta de sangue. A replicação e o adoecimento pelo citomegalovírus (CMV) no período pós-transplante é a principal complicação infecciosa, associada à morbidade, mortalidade e aumento de custos. A avaliação da imunidade celular CMV-específica dos pacientes transplantados pelo QF-CMV permite identificar quais estão sob maior risco de replicação e adoecimento pelo CMV no período pós-transplante e, dessa forma, possibilita a otimização do uso dos protocolos de prevenção de CMV pós-transplante.

COMO FUNCIONA

O QF-CMV é realizado com três tubos de sangue: tubo antígeno-CMV revestido de peptídeos, simulando epitopos do CMV CD8+ específicos, tubo controle positivo (mitógeno), e tubo controle negativo (Nil). A produção linfocitária do interferon-gama (IFN-γ) presente no plasma de cada um dos três tubos é quantificada por um ensaio imunoenzimático (ELISA). A avaliação da imunidade celular CMV-específica baseia-se na quantificação do FN-γ produzida por células T CD8+ estimuladas no tubo antígeno-CMV.

COMO UTILIZAR A INFORMAÇÃO DO TESTE QF-CMV PARA O PACIENTE

Uma produção robusta de IFN-γ no tubo antígeno-CMV indica que o paciente possui imunidade celular CMV-específica, o que significa uma diminuição do risco de replicação e adoecimento pelo CMV no período pós-transplante. Dessa forma, é possível definir o manejo de prevenção de replicação e adoecimento pelo CMV do seu paciente baseado no risco de cada indivíduo.

APLICAÇÕES DA AVALIAÇÃO DA IMUNIDADE CELULAR CMV-ESPECÍFICA PELO QF-CMV

• Avaliação de risco de replicação e adoecimento pelo CMV na avaliação pré-transplante.
• Avaliação de risco de replicação e adoecimento pelo CMV no período pós-transplante precoce.
• Reavaliação de risco de replicação e adoecimento pelo CMV no momento de suspender a profilaxia ou terapia preemptiva no período pós-transplante.

REFERÊNCIAS
Manuel O et al. Assessment of cytomegalovirus-specifi c Cell-mediated immunity for the prediction of cytomegalovirus disease in high-risk solid-organ transplant recipients: a multicenter cohort study. Clin Infect Dis 2013;56(6):817–24.
Cantisán S et al. Pretransplant Interferon-γ secretion by CMV-specifi c CD8+ T cells informs the risk of CMV replication after transplantation. Am J Transplantation 2014; 13(3):738-745.
Martín-Gandul C et al. Viral load, CMV-specifi c T-cell immune response and cytomegalovirus disease in solid organ transplant recipients at higher risk for cytomegalovirus infection during preemptive therapy. Transpl Intern 2014;10:1060-8.
Sood S et al. Targeted individual prophylaxis off ers superior risk stratifi cation for cytomegalovirus reactivation after liver transplantation. Liver Transplantation 2015; 21:1478–1485.
Castón JJ et al. Interferon-c production by CMV-specifi c CD8+ T lymphocytes provides protection against cytomegalovirus reactivation in critically ill patients Intersive Care Med 2016. Krawczyk A et al. Assessing the risk of CMV reactivation and reconstitution of antiviral immune response post bone marrow transplantation by the QuantiFERONCMV-assay and real time PCR. J Clin Virol 2018; 99-100:61-66.
Kotton CN, et al. The third international consensus guidelines on the management of cytomegalovirus in solid organ transplantation. Transplantation 2018;96:333-360.


< voltar